sexta-feira, 2 de maio de 2014

Manfred Mann - The Five Faces Of Manfred Mann [Bonus Tracks]

Cover
Banda: Manfred Mann
Disco: The Five Faces Of Manfred Mann [Bonus Tracks]
Ano: 2003(*)
Gênero: R&B, Blues Rock, British Blues, Beat Rock
Faixas:
Original Album [Mono]
1. Smokestack Lightning (Burnett) 3:31
2. Don't Ask Me What I Say (Jones) 2:59
3. Sack O' Woe (Adderley) 2:05
4. What You Gonna Do? (Jones, Mann) 2:35
5. Hoochie Coochie (Dixon) 3:16
6. I'm Your Kingpin (Mann, Jones) 2:50
7. Down The Road Apiece (Raye) 2:23
8. I've Got My Mojo Working (Foster) 3:11
9. I'ts Gonna Work Out Fine (Seneca, Lee) 2:33
10. Mr. Anello [Version 1] (Hugg, Jones, McGuinness, Vickers) 2:16
11. Untie Me [Version 1] (South) 3:29
12. Bring It To Jerome (Green) 3:28
13. Without You (Jones) 2:20
14. You've Got To Take It (Jones) 1:56
Bonus Section
15. Smokestack Lightning (Burnett) 3:31
16. Don't Ask Me What I Say (Jones) 2:56
17. Hoochie Coochie (Dixon) 3:16
18. Down The Road Apiece (Raye) 2:24
19. I've Got My Mojo Working (Foster) 3:09
20. I'ts Gonna Work Out Fine (Seneca, Lee) 2:33
21. Untie Me [Version 2] (South) 3:35
22. Bring It To Jerome (Green) 3:24
23. Without You (Jones) 2:19
24. You've Got To Take It (Jones) 2:17
25. Ain't That Love [Mono] (Hugg, Jones, Vickers, Mann, McGuinness) 2:15
26. Sticks And Stones [Mono] (Turner) 2:21
27. Without You [Alternate Take] [Mono] (Jones) 2:18
Créditos:
Manfred Mann: Piano, Organ
Mike Vickers: Guitar, Flute, Saxophone
Mike Hugg: Drums, Vibes
Paul Jones: Vocals, Harmonica, Maracas
Tom McGuinness: Bass Guitar
(*) LP lançado originalmente em 1964.
Logo Design by FlamingText.com 
Biografia:
A biografia da banda, que segue, em tradução livre do inglês, foi extraída do site Oldies, que, por sua vez, cita, como fonte primária do texto, a Encyclopedia Of Popular Music, de Colin Larkin (sob licença da editora Muze).
Durante o boom do beat inglês dos anos 60, encabeçado pelos Beatles, vários grupos de R&B surfaram nas boas ondas com diferentes graus de sucesso. De todos, o maior êxito comercial coube à Manfred Mann. O grupo, inicialmente chamado Mann-Hugg Blues Brothers, nasceu por obra de Manfred Mann (nome verdadeiro: Manfred Lubowitz, nascido em 21 de outubro de 1940, em Joanesburgo, África do Sul; teclados) e Mike Hugg (nascido em 11 de agosto de 1942, em Andover, Hampshire, Inglaterra; bateria e vibrafone). A designação Manfred Mann ocorreu após a adição de Paul Jones (nome verdadeiro: Paul Pond, nascido em 24 de fevereiro de 1942, em Portsmouth, Hampshire, Inglaterra; harmônica e vocal). E mudanças sobrevieram: saiu Dave Richmond (nota minha: baixista e membro original da banda) e ingressaram Mike Vickers (nascido em 18 de abril de 1941, em Southampton, Hampshire, Inglaterra; flauta, guitarra e saxofone) e Tom McGuinness (nascido em 2 de dezembro de 1941, em Wimbledon, Londres, Inglaterra; baixo).
2Contratada pela gravadora caça-talentos HMV Records e após lançar um malogrado disco instrumental, a Manfred Mann causou boa impressão com a cativante "Cock-A-Hoop". A execução proeminente da harmônica de Jones forneceu ao grupo uma sonoridade diferenciada, levando-o a notabilizar-se, rapidamente, na Grã-Bretanha. Nada menos do que dois singles seus viraram temas do pioneiro programa musical da televisão britânica "Ready, Steady, Go!". O single "5-4-3-2-1" deu-lhe o primeiro sucesso Top 10 no início de 1964. E, no verão, chegou ao topo das paradas do Reino Unido com a arrebatadora "Do Wah Diddy Diddy".
9Nos dois anos seguintes, a banda frequentou as paradas regularmente, com memoráveis sucessos: "Sha La La", "Come Tomorrow", "Oh No Not My Baby" e "If You Got To Go, Go Now", de Bob Dylan. E, em maio de 1966, retornou ao 1º lugar com a sublime "Pretty Flamingo", o último grande sucesso com a participação de Jones, que resolveu seguir carreira solo, abalando a estrutura do grupo, pois as mudanças de pessoal, na época, eram anatemizadas pela mídia e pelos fãs. O retirante cantor foi substituído por Michael D'Abo (nascido em 1 de março de 1944, em Betchworth, Surrey, Inglaterra), ex-Band Of Angels, que suplantou Rod Stewart, reprovado no teste de audição (nota minha: as peças que o destino prega...).
8Mike Vickers já havia saído e abraçado uma lucrativa carreira como compositor de televisão. Jack Bruce ocupou-lhe a vaga, com o consequente deslocamento de Tom McGuinness para a guitarra solo, cuja execução o deixava mais satisfeito. Entrementes, Henry Lowther (trompete) e Lyn Dobson (saxofone) ampliaram o lineup por algum tempo, e Bruce cedeu seu posto para Klaus Voormann. D'Abo estreou no grupo com outro sucesso – o primeiro pela gravadora Fontana –, "Just Like A Woman", de Bob Dylan. Para surpresa de muitos críticos, D'Abo se encaixou maravilhosamente no grupo, através da manutenção da fórmula dos sucessos, apesar da partida do carismático Jones. Tanto "Semi-Detached Suburban Mr. James" quanto "Ha! Ha! Said The Clown" tornaram-se formidáveis hits Top 5, na clássica tradição manfrediana.
10Ao lado da americana Byrds, a Manfred Mann tem sido apontada como uma das melhores intérpretes do material de Bob Dylan, opinião endossada pelo próprio compositor. Isso evidenciou-se em 1968, quando o grupo chegou, pela terceira vez, ao ápice das paradas com a leitura impressionante da dylaniana "Mighty Quinn". O término da década de 60 registrou uma enxurrada de sucessos Top 10: "My Name Is Jack", "Fox On The Run" e "Raggamuffin Man", antes que a banda abdicasse da sua coroa pop em prol de uma abordagem mais pesada. Seus álbuns sempre foram substanciosos e comprobatórios da destreza considerável de músicos que trabalhavam com números jazzísticos e bluseiros.
11A seguir, Mann dedicou-se à formação da banda Chapter Three, misturando jazz e rock, e à extremamente afortunada Manfred Mann's Earth Band. Nos anos 90, a maior parte da banda apresentou-se regularmente como Manfreds. Sem Mann, os ex-integrantes não podiam usar o nome original, e, para o lugar do ex-líder, recrutaram Benny Gallagher (baixo e vocal) e Rob Townsend, anterior baterista da Family. Jones e D'Abo passaram a apresentar-se juntos, dividindo os holofotes, embora Jones, em última análise devido à sua personalidade mais exuberante, ofuscasse o companheiro de palco. Ainda grandemente respeitada, a Manfred Mann remanesce como um dos melhores grupos beat dos anos 60.

4 comentários:

Silvio disse...

obrigado por usar mega...e pelo seu trabalho...abraços...

Musicômano disse...

Obrigado a você, Silvio, pelo comentário. Um abraço.

ney disse...

Manfred Mann, com Paul Jones, foi a maior banda de R&B da história da música pop, na minha modesta opinião. Paul Jones tocava harmônica de forma brilhante, talvez apenas comparável com o outro Jones, o Brian, dos Rolling Stones.
Muito obrigado pela postagem desse álbum incrível! Um abraço e parabéns pelo excelente blog.

Musicômano disse...

Realmente, a Manfred Mann foi uma grande banda, e subestimada, como tantas outras, aliás. Valeu pelo comentário, ney. Um abraço.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...