quarta-feira, 29 de junho de 2016

Ultimate Spinach - Discografia essencial

Banda: Ultimate Spinach
Gênero: Acid Rock, Psychedelic Rock, Hard Rock

Disco: Ultimate Spinach
Ano: 1968(*)
Faixas:
1. Ego Trip (3:16)
2. Sacrifice Of The Moon (In Four Parts) (3:48)
3. Plastic Raincoats/Hung-Up Minds (2:58)
4. (Ballad Of The) Hip Death Goddess (8:17)
5. Your Head Is Reeling (3:42)
6. Dove In Hawk's Clothing (3:56)
7. Baroque #1 (4:50)
8. Funny Freak Parade (2:37)
9. Pamela (3:11)
Músicas de autoria de Ian Bruce-Douglas.
Créditos:
Ian Bruce-Douglas: Vocals, Electric Piano, Electric Harpsichord, Organ, Harpsichord, 12-String Guitar, Sitar, Harmonica, Wood Flute, Theremin, Celesta
Barbara Hudson: Vocals, Electric Guitar, Hollowbody Guitar, Kazoo
Keith Lahteinen: Vocals, Drums, Tabla, Bass Drum, Assorted Bells, Chimes
Richard Nese: Bass, Feedback Bass
Geoffrey Winthrop: Vocals, Lead Guitar, Feedback Guitar, Drone Sitar, Electric Sitar
(*) CD lançado em 1995.
http://tiny.cc/ywplcy
Disco: Behold And See
Ano: 1968(*)
Faixas:
1. Gilded Lamp Of The Cosmos (3:04)
2. Visions Of Your Reality (5:52)
3. Jazz Thing (6:42)
4. Mind Flowers (9:40)
5. Where You're At (3:14)
6. Suite: Genesis Of Beauty (In Four Parts) (9:48)
7. Fifth Horseman Of The Apocalypse (5:59)
8. Fragmentary March Of Green (6:39)
Músicas de autoria de Ian Bruce-Douglas.
Créditos:
Ian Bruce-Douglas: Vocals, Electric Piano, Organ, Vibes,  Electric Guitar, Recorder
Barbara Jean Hudson: Acoustic Guitar, Vocals
Russell Levine: Drums, Percussion
Richard Nese: Electric Bass
Geoffrey Winthrop: Electric Guitar
Músico convidado:
Carol Lee Britt: Vocals
(*) CD lançado em 1995.
http://bit.do/b9gBc
Disco: Ultimate Spinach III
Ano: 1969(*)
Faixas:
1. (Just Like) Romeo & Juliet (Wylie, Williams) 2:36
2. Some-Days You Just Can't Win (Myers, Scheuren) 3:25
3. Daisy (Baxter) 2:23
4. Sincere (Myers) 3:34
5. Eddie's Rush (Ultimate Spinach) 6:54
6. Strange-Life Tragicomedy (Myers, Scheuren) 4:15
7. Reasons (Scheuren) 3:54
8. Happiness Child (Myers) 4:44
9. Back Door Blues (Myers) 2:58
10. The World Has Just Begun (Myers, Scheuren) 3:20
Créditos:
Jeff Baxter: Lead, Steel & Bowed Guitars, Vibes, Vocals
Barbara Hudson: Guitar & Vocals
Mike Levine: Bass
Russ Levine: Drums
Ted Myers: Vocals & Guitar
Tony Scheuren: Organ, Piano, Acoustic Guitar, Vocals
(*) CD lançado em 1996.
http://nsfw.in/Z9L
Disco: Live At The Unicorn, July 1967
Ano: 2014
Faixas:
1. Hey Joe (Roberts) 4:14
2. Get Together (Powers) 4:11
3. I Don't Know Your Name (Bruce-Douglas) 3:48
4. Funny Freak Parade (Bruce-Douglas) 2:47
5. Don't Let These Years Go By (Bruce-Douglas) 3:16
6. Don't Cry For Me (Bruce-Douglas) 3:51
7. Follow Me (Bruce-Douglas) 4:37
8. (Ballad Of The) Hip Death Goddess (Bruce-Douglas) 6:19
9. Mind Flowers (Bruce-Douglas) 12:49
Créditos:
Ian Bruce-Douglas: Guitar, Keyboards, Vocals
Barbara Hudson: Guitar, Vocals
Keith Lahteinen: Drums, Vocals
Richard Nese: Bass
Geoffrey Winthrop: Guitar, Sitar, Vocals
http://thinfi.com/049y

Biografia:
A Ultimate Spinach foi uma das mais conhecidas e talvez a mais famosa das bandas inseridas no contexto do "Bosstown Sound", em 1968. O seu próprio nome despertava curiosidade como uma das mais ridículas e mal-arranjadas denominações "bacaninhas" da era psicodélica, superando até mesmo a formidável concorrência da Peanut Butter Conspiracy. Embora constituída por músicos competentes e inventivos, os discos da banda mostravam-se geralmente insatisfatórios, inferiores aos álbuns dos seus correligionários da Costa Oeste que lhe serviram de óbvia inspiração.
O produtor da banda era o veterano arranjador Alan Lorber, um dos principais arquitetos do "Bosstown Sound". Em setembro de 1967, ele anunciou um plano marqueteiro nos principais veículos da mídia musical para fazer de Boston, de acordo com suas próprias palavras (extraídas do encarte do relançamento, pela Big Beat Records, do primeiro disco da Ultimate Spinach), "uma cidade-alvo para o desenvolvimento de novos artistas num único lugar". 
Essa sonoridade forçada, planejada por Lorber, acabou sendo motivo de escárnio nas hostes vanguardeiras, haja vista que um cenário musical como o que se manifestava em San Francisco (que o som de Bosstown tentava imitar) só poderia nascer espontaneamente e não a fórceps. A MGM promoveu a maioria dos grupos do Bosstown Sound, e através dela Lorber conseguiu divulgar duas das bandas que ele produzia: Orpheus e Ultimate Spinach.
Nos dois primeiros dos seus três discos, a Ultimate Spinach ficou totalmente sufocada pelo seu líder, Ian Bruce-Douglas, que compôs todo o material, cantou a maior parte das canções e tocou vários instrumentos, sobretudo teclados elétricos. Seu primeiro álbum, homônimo, lançado em 1967, mostrou-se uma bem-intencionada salada psicodélica, com resultados, ainda que imprevistos, embaraçosamente esdrúxulos. As músicas de Bruce-Douglas soavam, ora excêntricas, ora grandiosamente absurdas, com letras excessivamente austeras para o consumidor comum. 
As canções imitavam o padrão autoral e as texturas de guitarra e teclado de Doors, Jefferson Airplane e Country Joe & The Fish, astros da psicodelia da Costa Oeste, soando, porém, como pastiches grosseiros dos seus modelos. Bruce-Douglas criou algumas atraentes e enxutas linhas de teclado elétrico em faixas como "Sacrifice Of The Moon", mas às vezes se pareciam tanto com o primeiro disco da Country Joe & The Fish que chegavam a beirar o plágio, como em "Baroque # 1", muito semelhante à "The Masked Marauder", da Country Joe. Houve outros momentos agradáveis proporcionados pelos vocais ocasionais da guitarrista Barbara Hudson, além do tom clássico barroco em alguns arranjos, e o disco acabou vendendo bem. "Behold And See", também editado em 1968, equiparava-se ao disco de estreia, porém com maior consistência. Mas isso não representava uma boa notícia: inexistia instrumental com predominância de teclados, como houve em "Sacrifice Of The Moon", Barbara Hudson não aparecia à frente de nenhum vocal principal (embora Carol Lee Britt, vocalista convidada, tivesse cantado em algumas faixas) e as composições de Bruce-Douglas ainda se revelavam constrangedoramente afetadas e pretensiosas. 
O enigmático Bruce-Douglas dissolveu a Ultimate Spinach após a gravação do segundo LP, deixando para Lorber a tarefa de descascar um abacaxi: o já programado terceiro álbum da banda. Para tanto, montou-se um lineup totalmente diferente, remanescendo apenas Barbara Hudson. Com a inclusão de Ted Myers (ex-Lost e Chamaeleon Church) e do guitarrista Jeff Baxter (mais tarde membro dos grupos Steely Dan e Doobie Brothers), a renovada formação da Ultimate Spinach gravou o derradeiro disco "III", apresentando um amontoado indistinto de estilos (psicodélico, hard rock e pop), que aparentava o produto do trabalho de várias bandas diferentes.
Todos os discos da Ultimate Spinach saíram em CD no Reino Unido, na metade dos anos 90, através da gravadora Big Beat (Richie Unterberger, AllMusic; tradução livre do inglês).

8 comentários:

Roderick Verden disse...

Bem, não sou Popeye, mas gostei deste espinafre(rs). Tenho o primeiro importado e o segundo em mp3. Muito bom o som, e, realmente, o vocal da Barbara Hudson era cativante.

Como não tenho mais internet, não há como baixar os outros discos. Uma pena!
Abraços

Indignaldo Silva disse...

Mas se você comentou é porque tem internet, ou estou enganado? De qualquer forma, obrigado pelo comentário, Roderick.

Roderick Verden disse...

Oi, Indignaldo. Não me expressei bem. É que não tenho mais internet diária, pois há quase um ano estou morando na roça, onde não tem web. Daí, só uso internet na biblioteca da cidade interiorana, que fica uns dez quilômetros da fazenda onde resido, e na biblioteca não há como baixar e gravar discos.
Abraços

Indignaldo Silva disse...

É uma pena mesmo. Mas, quem sabe, levando um pen drive e explicando a situação para o encarregado da biblioteca? Não custa tentar.

samia hussain disse...

nice post

Indignaldo Silva disse...

Thanks for comment, samia.

Tulio M disse...

Muchas gracias, excelente!! :D

Indignaldo Silva disse...

Não há de quê, Tulio.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...