segunda-feira, 25 de abril de 2016

Wild Turkey - Battle Hymn

Banda: Wild Turkey
Disco: Battle Hymn
Ano: 1971(*)
Gênero: Progressive Rock, Classic Rock
Faixas:
1. Butterfly (Cornick) 4:53
2. To The Stars (Cornick) 4:22
3. Twelve Streets Of Cobbled Black (Blackmore) 3:06
4. Dulwich Fox (Blackmore) 3:43
5. Easter Psalm (Pickford-Hopkins) 3:40
6. Sanctuary (Blackmore) 3:48
7. One Sole Survivor (Pickford-Hopkins, Lewis) 4:38
8. Gentle Rain (Cornick) 3:09
9. Battle Hymn (Cornick) 4:35
10. Sentinel (Blackmore, Lewis) 3:54
Créditos:
Glenn Cornick: Bass Guitar, Guitar & Keyboards
Gary Pickford-Hopkins: Vocals & Acoustic Guitar
Alan "Tweke" Lewis: Lead Guitar
John Blackmore: Guitar & Vocals
Jeff Jones: Percussion
(*) CD lançado em 1991.
http://thinfi.com/00lh
Biografia:
O baixista Glenn Cornick (nascido em 23 de abril de 1947, em Barrow-in-Furness, Cumbria, Inglaterra [nota minha: e morto em 28 de agosto de 2014, em Hilo, Havaí]), então conhecido como Glenn Barnard, começou sua carreira musical como membro da banda sessentista Joey And The Jailbreakers. Também trabalhou com uma série de grupos congêneres, como Vikings, Formula One, Hobos e Executives. Finalmente, ingressou na John Evan's Smash, em Blackpool, que redundou na Jethro Tull. Famoso tanto por suas roupas psicodélicas quanto por sua habilidade musical, o baixista desfrutou três anos de sucesso com a Jethro Tull até abandoná-la em 1970.
Cornick reuniu Jon Blackmore (guitarra), Graham Williams (guitarra), John "Pugwash" Weathers (nascido em 2 de fevereiro de 1947, em Carmarthen, Glamorganshire, País de Gales; bateria, ex-Eyes Of Blue) e Gary Pickford-Hopkins (guitarra, vocais, ex-Eyes Of Blue) para formar a Glenn Cornick's Wild Turkey. Entretanto, após alguns meses de ensaios, Williams e Weathers saíram para juntar-se ao grupo de Graham Bond, sendo substituídos pelo baterista Jeff Jones, ex-Man, e o guitarrista Alan "Tweke" Lewis. A banda também encurtou seu nome, passando a chamar-se simplesmente Wild Turkey, antes de lançar seu primeiro disco, "Battle Hymn", em 1972, através da Chrysalis Records.
O álbum recebeu boas resenhas, e a banda começou a ascender, tocando regularmente para plateias de 20.000 pessoas e abrindo shows para a Black Sabbath. Na sequência de uma turnê bem-sucedida nos Estados Unidos, coadjuvando a Jethro Tull, o grupo perdeu Jon Blackmore, que virou articulista da revista New Musical Express. Cornick, então, preencheu a lacuna com o tecladista Steve Gurl, ex-roadie da própria Wild Turkey, e o guitarrista Mick Dyche (nota minha: no original, Dyche é chamado, equivocadamente, de baterista). "Good Old Days", o único single gravado com o novo lineup, precedeu o lançamento de "Turkey", em 1973. O disco, porém, não impactou como o primeiro, e o grupo desagregou-se.
Lewis uniu-se à Man, e Bernie Marsden (nome verdadeiro: Bernard John Marsden, nascido em 7 de maio de 1951, em Buckingham, Buckinghamshire, Inglaterra), futuro guitarrista da Whitesnake, ocupou seu posto, temporariamente. Kevin Curry assumiu as baquetas no lugar de Jones, mas a gravação de um terceiro disco empacou. As coisas estavam assim quando, em 1996, um telefonema de Barry Riddington, da gravadora HTD Records, encorajou Cornick a remontar a Wild Turkey, com Pickford-Hopkins e Lewis participando também do reerguimento do grupo (AllMusic; tradução livre do inglês).

2 comentários:

Spirit walker disse...

Valeu demais Indgnaldo pela postagem do disco e a biografia da banda, como sempre com muita competência, agora, será que posso aguardar o "Turkey" (1973), que pra mim é muito bom também ? Mas como já disse amigo, fique tranquilo, sem pressa, tenho a paciência de um felino (rsrs)...valeu,abs.

Indignaldo Silva disse...

Sem dúvida. Pedido aqui é prioridade.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...