quinta-feira, 8 de outubro de 2015

Fleetwood Mac - Then Play On [Bonus Tracks]

Banda: Fleetwood Mac
Disco: Then Play On [Bonus Tracks]
Ano: 2013(*)
Gênero: Blues Rock, British Blues, Soft Rock
Faixas:
1. Coming Your Way (Kirwan) 3:44
2. Closing My Eyes (Green) 4:50
3. Fighting For Madge (Fleetwood) 2:42
4. When You Say (Kirwan) 4:31
5. Show-Biz Blues (Green) 3:50
6. Under Way (Green) 3:04
7. One Sunny Day (Kirwan) 3:13
8. Although The Sun Is Shining (Kirwan) 2:24
9. Rattlesnake Shake (Green) 3:29
10. Without You (Kirwan) 4:35
11. Searching For Madge (McVie) 6:55
12. My Dream (Kirwan) 3:30
13. Like Crying (Kirwan) 2:25
14. Before The Beginning (Green) 3:29
15. Oh Well - Pt. 1 [Single A-Side, 1969] [Bonus Track] (Green) 3:22
16. Oh Well - Pt. 2 [Single B-Side, 1969] [Bonus Track] (Green) 5:39
17. The Green Manalishi (With The Two Prong Crown) [Single A-Side, 1970] [Bonus Track] (Green) 4:36
18. World In Harmony [Single B-Side, 1970] [Bonus Track] (Kirwan, Green) 3:26
Créditos:
Peter Green: Vocals, Guitar, Harmonica, Six String Bass, Percussion, Cello ("Oh Well, Pt. 2")
Danny Kirwan: Vocals & Guitar
John McVie: Bass Guitar
Mick Fleetwood: Drums & Percussion
Jeremy Spencer: Piano ("Oh Well - Pt. 2")
Músicos adicionais (não creditados):
Christine Perfect: Piano
Sandra Elsdon: Recorder ("Oh Well - Pt 2")
(*) LP lançado originalmente em 1969.
http://freetexthost.com/xws0wgf14r
Biografia:
A Fleetwood Mac original foi formada em julho de 1967 por Peter Green (nome verdadeiro: Peter Allen Greenbaum, nascido em 29 de outubro de 1946, em Bethnal Green, Londres, Inglaterra; guitarra) e Mick Fleetwood (nascido em 24 de junho de 1947, em Redruth, Cornwall, Inglaterra; bateria) - ambos haviam abandonado há pouco tempo a Bluesbreakers, de John Mayall. Os dois conseguiram um contrato com a Blue Horizon Records graças à reputação de Green como guitarrista de blues, e a gravadora indicou-lhes o nome de Jeremy Spencer (nascido em 4 de julho de 1948, em Hartlepool, Cleveland, Inglaterra), do grupo semi-profissional Levi Set, para atuar como segundo guitarrista.
Um baixista temporário, Bob Brunning, incorporou-se ao lineup até que outro ex-músico de Mayall, John McVie (nascido em 26 de novembro de 1945, em  Londres, Inglaterra; baixo), se convencesse a juntar-se à nova banda. Inicialmente chamado de Peter Green's Fleetwood Mac, o grupo debutou em 12 de agosto de 1967 no National Jazz And Blues Festival, em Windsor.
Seu primeiro álbum, "Fleetwood Mac", lançado pela Blue Horizon em fevereiro de 1968, alcançou o Top 5 do Reino Unido e estabeleceu um equilíbrio distintivo entre as introspectivas composições de Green e as canções de Spencer, influídas por Elmore James. Um punhado de excelentes covers completou o disco, que se revelou fundamental para o boom do blues britânico no final dos anos 60. O grupo também usufruiu de dois relativos sucessos através de "Black Magic Woman", uma canção hipnótica de Green, popularizada posteriormente por Santana, e uma delicada leitura de "Need Your Love So Bad", gravada pela primeira vez por Little Willie John.
O segundo álbum, "Mr. Wonderful", também triunfou, mas enquanto Spencer contentou-se em repetir seu estilo, o líder Green ampliou as fronteiras da composição com memoráveis contribuições, incluindo a candente "Love That Burns". Sua maneira de tocar guitarra - destro e enxuto mas sempre impactante - não podia ser melhor, ao passo que McVie e Fleetwood formavam uma espontânea seção rítmica. "Mr. Wonderful" contou com as participações de Christine Perfect (nascida em 12 de julho de 1943, em Greenodd, Cumbria, Inglaterra), pianista da Chicken Shack, e de um quarteto de metais, distanciando o grupo do blues tradicional. Um terceiro guitarrista, Danny Kirwan (nome verdadeiro: Daniel David Kirwan, nascido em 13 de maio de 1950, em Londres, Inglaterra), acoplou-se à banda em setembro de 1968.
O quinteto emplacou um sucesso instantâneo com "Albatross", um lamentoso número instrumental, rememorativo de "Sleep Walk", de Santo And Johnny, e ranqueado nas paradas do Reino Unido. O single, que obteve o 2º lugar nas paradas por ocasião do seu relançamento em 1973, foi o primeiro disco do grupo a vender mais de um milhão de cópias. A Fleetwood Mac, então, afastou-se da Blue Horizon, embora, posteriormente, a gravadora ainda tenha lançado "Blues Jam At Chess", disco que a banda repartiu com vários ícones bluseiros: Buddy Guy, Otis Spann e Walter Horton, entre outros. Após uma rápida passagem pela Immediate Records, que lançou o magnético "Man Of The World", o quinteto estreou na Reprise Records com "Oh Well", seu mais ambicioso single até então, e o soberbo álbum "Then Play On". Esse esmerado disco relevou o talento de Kirwan como compositor, e suas inclinações românticas contrabalançaram os aspectos mais mundanos do trabalho de Green.
Conquanto creditado, Jeremy Spencer ausentou-se na maioria das sessões, mas a excêntrica personalidade do guitarrista ficou estampada no seu homônimo disco solo, editado no ano seguinte. A Fleetwood Mac agora desfrutava de renome internacional, mas isso representou um fardo para o seu comandante. Peter Green abandonou a banda em maio de 1970, depois do lançamento do seu particularizado single, o admirável "The Green Manalishi (With The Two-Prong Crown)", que se tornou outro sucesso Top 10. Christine Perfect, já casada com John McVie, ingressou na vaga de Green. Malgrado a banda tenha acusado a perda do guitarrista, o talento de Kirwan como compositor e a absoluta vivacidade de Spencer garantiram uma certa coesão ao quarto álbum, "Kiln House". Entretanto, em 1971, aconteceu outro abalo, com o desaparecimento de Spencer no meio de uma turnê americana. Verificou-se depois que Spencer ingressara numa seita religiosa chamada The Children Of God.
Enquanto Green supriu a lacuna no restante da excursão, Bob Welch (nome verdadeiro: Robert Welch, nascido em 31 de julho de 1946, em Los Angeles, California, EUA [nota minha: e morto em 7 de junho de 2012, em Nashville, Tennessee, EUA]) recebeu convite para filiar-se ao grupo definitivamente. A nova formação consolidou-se em dois melodiosos discos: "Future Games" e "Bare Trees". Nenhum impressionou muito o público britânico, que continuou a sentir saudade da era Green, mas nos Estados Unidos o grupo começou a conquistar um poderoso fã-clube com sua recente e transatlântica (nota minha: no original, a palavra significa algo que concerne ao Reino Unido e aos Estados Unidos) sonoridade. Todavia, outras mudanças de pessoal aconteceram  após a dispensa de Kirwan devido à sua crônica fobia de palco. Bob Weston, guitarrista da banda de Long John Baldry, ocupou o lugar de Kirwan, e Dave Walker, ex-vocalista da Savoy Brown, também reforçou o lineup. A banda, porém, demonstrava insatisfação com o vocalista, que saiu após permanecer somente oito meses no grupo, a tempo apenas de concluir a gravação de "Penguin", um disco que, se não figura na lista dos melhores da Fleetwood Mac, contempla uma excelente composição de Welch, "Night Watch".
O quinteto restante terminou outro álbum, "Mystery To Me", lançado no meio de um imbróglio envolvendo alguns membros da banda. Weston, que tivera um caso com a mulher de Fleetwood, foi despedido durante uma prolongada turnê americana, e os shows remanescentes acabaram cancelados. Clifford Davis, empresário do grupo, reuniu uma Mac falsa para cumprir as obrigações contratuais, o que acabou gerando uma demanda judicial envolvendo a verdadeira Mac e Davis (nota minha: existem várias versões a respeito do caso, sem que se saiba com certeza o que realmente aconteceu). Mas, apesar das constantes pressões, Perfect, Welch, McVie e Fleetwood retornaram ao mercado fonográfico com "Heroes Are Hard To Find", um disco afirmativo que desmentia os rumores em torno da permanência da banda. De qualquer modo, Welch não suportou a boataria, largando a banda em dezembro de 1974, privando-a, assim, de um compositor criativo, que, com sua visão americana, ajudou a redefinir o estilo musical do grupo.
Procurando estúdios de gravação, Fleetwood conheceu Stevie Nicks (nome verdadeiro: Stephanie Nicks, nascida em 26 de maio de 1948, em Phoenix, Arizona, EUA) e Lindsey Buckingham (nascido em 3 de outubro de 1949, em Palo Alto, California, EUA), através do disco homônimo do duo. Com a banda desprovida de guitarrista, Fleetwood, constatando a experiência de Buckingham, convidou-o para substituir Welch. Buckingham aceitou, desde que Nicks viesse junto, consolidando, assim, a mais bem-sucedida formação da banda. "Fleetwood Mac", lançado em 1975, correspondeu às expectativas. Os recém-chegados providenciaram composições acessíveis e memoráveis, com harmonias agradáveis, ficando a cargo do contingente britânico a destreza e o vigor. Uma sucessão de composições estelares, compreendendo "Over My Head", "Say You Love Me" e a comovente "Rhiannon", confirmou a perfeita simetria, outorgando ao grupo o primeiro de uma longa série de singles Top 20 nos Estados Unidos. O disco seguinte, "Rumours", distinguiu-se ainda mais.
Apesar da ruptura de dois relacionamentos - os McVies se divorciaram e Buckingham e Nicks desfizeram sua união -, o grupo completou uma extraordinária discografia, que desnudou os traumas internos, mas sem pieguice nem lamentação. Ao contrário, os dramas recorrentes figuraram em várias e requintadas canções: "Go Your Own Way", "Don't Stop", "Second Hand News" e "Dreams", repletas de musicalidade e determinação. Um lançamento duradouro, "Rumours" já vendeu mais de 25 milhões de cópias, só sendo batido por "Thriller", o insuperável campeão de vendas de Michael Jackson.
Sobrevivendo à sua angústia emocional, a banda deparou-se com o problema de suplantar o fenômeno "Rumours". Sua resposta deu-se por intermédio de "Tusk", um arrojado álbum duplo, revelando um grupo sem medo de experimentar, se bem que muitos críticos tacharam a obra de comodista.
A canção-título, uma fascinante peça instrumental, galgou as paradas internacionais; já a música "Sara", lembrando o estilo de "Rumours", saiu-se melhor nos Estados Unidos, em comparação com as vendas no Reino Unido. Uma seleção de concertos, "Fleetwood Mac: Live", surgiu como tapa-buraco em 1980, alimentando os rumores sobre a continuidade do grupo. Passaram-se mais dois anos antes que o novo álbum, "Mirage", viesse à tona, porque alguns membros da banda estavam debruçados sobre projetos individuais. Buckingham e Nicks, particularmente, encaravam suas carreiras solos com a mesma importância devotada à trajetória do grupo, e "Mirage", uma tentativa constrangida de criar outro "Rumours", carecia do brilho do seu famoso predecessor. O disco, contudo, rendeu três sucessos: "Hold Me", "Gypsy" e a efervescente "Oh Diane", de Buckingham.
Decorridos cinco anos, surgiu "Tango In The Night", um retorno pungente à velha forma, recapturando todo o talento e inventividade do grupo com uma sucessão de reconfortantes performances: "Little Lies", "Family Man" e "You And I (Part 2)".
Christine McVie contribuiu com a ritmada e descontraída "Anyway", ponto alto do álbum. "Tango In The Night", no entanto, marcou a despedida de Lindsey Buckingham, apesar de só oficialmente confirmada após junho de 1988. Na ocasião, dois cantores e guitarristas, Rick Vito (nascido na Philadelphia, Pennsylvania, EUA), ex-Thunderbyrd, e Billy Burnette (nome verdadeiro: William Beau Burnette III, nascido em 8 de maio de 1953, em Memphis, Tennessee, EUA), aderiram ao quarteto remanescente. "Behind The Mask", o primeiro disco com o reformulado lineup, marcou o início de um novo tempo para essa tempestuosa banda, que adquiriu forças da adversidade e simplesmente se recusou a morrer. Mais recentemente, o lançamento de "The Chain", um box set compilado por Fleetwood, recebeu uma grande aclamação da crítica, talvez  a maior nos últimos anos. Em setembro de 1995, Fleetwood promoveu o excelente disco "Peter Green's Fleetwood Mac: Live At The BBC". O lançamento tocou fundo no coração de Fleetwood, que, durante o evento, deixou claro que ainda sentia muita saudade da formação original, lamentando a saída de Green e o consequente desenrolar dos acontecimentos.
Um mês depois, surgiu um novo álbum da banda, ignorado pelos críticos e encalhado nas lojas. A adição do guitarrista Dave Mason (nascido em 10 de maio de 1945, em Worcester, Inglaterra), ex-Traffic, e Bekka Bramlett (nascida em 19 de abril de 1968, nos Estados Unidos, filha de Delaney Bramlett e Bonnie Bramlett) para a gravação do decepcionante "Time", não conseguiu reacender a antiga chama. A desoladora recepção à "Time" convenceu Fleetwood a reconsiderar o caminho trilhado pela banda. Seu desejo, nunca escondido, era retornar aos áureos tempos de Green ou de Nicks e Buckingham. Algumas negociações a portas fechadas devem ter ocorrido, porque, na primavera de 1997, anunciou-se que o inesquecível time de "Rumours" havia sido reunido e já se encontrava pronto para gravar novamente. Um álbum ao vivo surgiu em agosto, comemorando o 20° aniversário de "Rumours". Pouco depois, Christine McVie anunciou sua aposentadoria (nota minha: a cantora e tecladista acabou voltando para a banda mais tarde), deixando ao quarteto subsistente a tarefa de gravar seu primeiro disco de estúdio desde "Tango In The Night". "Say You Will", com dezoito canções, finalmente saiu em abril de 2003. Pelos padrões da Fleetwood Mac, é um disco mediano, ressentindo-se da ausência dos atraentes vocais de Christine McVie (The Encyclopedia Of Popular Music. Compiled and edited by Colin Larkin. New York: Omnibus Press, 2007, pp. 543-5; tradução livre do inglês).

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...