quinta-feira, 8 de outubro de 2015

Fleetwood Mac - Then Play On [Bonus Tracks]

Banda: Fleetwood Mac
Disco: Then Play On [Bonus Tracks]
Ano: 2013(*)
Gênero: Blues Rock, British Blues, Soft Rock
Faixas:
1. Coming Your Way (Kirwan) 3:44
2. Closing My Eyes (Green) 4:50
3. Fighting For Madge (Fleetwood) 2:42
4. When You Say (Kirwan) 4:31
5. Show-Biz Blues (Green) 3:50
6. Under Way (Green) 3:04
7. One Sunny Day (Kirwan) 3:13
8. Although The Sun Is Shining (Kirwan) 2:24
9. Rattlesnake Shake (Green) 3:29
10. Without You (Kirwan) 4:35
11. Searching For Madge (McVie) 6:55
12. My Dream (Kirwan) 3:30
13. Like Crying (Kirwan) 2:25
14. Before The Beginning (Green) 3:29
15. Oh Well - Pt. 1 [Single A-Side, 1969] [Bonus Track] (Green) 3:22
16. Oh Well - Pt. 2 [Single B-Side, 1969] [Bonus Track] (Green) 5:39
17. The Green Manalishi (With The Two Prong Crown) [Single A-Side, 1970] [Bonus Track] (Green) 4:36
18. World In Harmony [Single B-Side, 1970] [Bonus Track] (Kirwan, Green) 3:26
Créditos:
Peter Green: Vocals, Guitar, Harmonica, Six String Bass, Percussion, Cello ("Oh Well, Pt. 2")
Danny Kirwan: Vocals & Guitar
John McVie: Bass Guitar
Mick Fleetwood: Drums & Percussion
Jeremy Spencer: Piano ("Oh Well - Pt. 2")
Músicos adicionais (não creditados):
Christine Perfect: Piano
Sandra Elsdon: Recorder ("Oh Well - Pt 2")
(*) LP lançado originalmente em 1969.
http://freetexthost.com/xws0wgf14r
Biografia:
A Fleetwood Mac original foi formada em julho de 1967 por Peter Green (nome verdadeiro: Peter Allen Greenbaum, nascido em 29 de outubro de 1946, em Bethnal Green, Londres, Inglaterra; guitarra) e Mick Fleetwood (nascido em 24 de junho de 1947, em Redruth, Cornwall, Inglaterra; bateria) – ambos haviam abandonado há pouco tempo a Bluesbreakers, de John Mayall. Os dois conseguiram um contrato com a Blue Horizon Records graças à reputação de Green como guitarrista de blues, e a gravadora indicou-lhes o nome de Jeremy Spencer (nascido em 4 de julho de 1948, em Hartlepool, Cleveland, Inglaterra), do grupo semi-profissional Levi Set, para atuar como segundo guitarrista.
Um baixista temporário, Bob Brunning, incorporou-se ao lineup até que outro ex-músico de Mayall, John McVie (nascido em 26 de novembro de 1945, em  Londres, Inglaterra; baixo), se convencesse a juntar-se à nova banda. Inicialmente chamado de Peter Green's Fleetwood Mac, o grupo debutou em 12 de agosto de 1967 no National Jazz And Blues Festival, em Windsor, Inglaterra.
Seu primeiro álbum, "Fleetwood Mac", lançado pela Blue Horizon em fevereiro de 1968, alcançou o Top 5 do Reino Unido e estabeleceu um equilíbrio distintivo entre as introspectivas composições de Green e as canções de Spencer, influídas por Elmore James. Um punhado de excelentes covers completou o disco, que se revelou fundamental para o boom do blues britânico no final dos anos 60. O grupo também usufruiu de dois relativos sucessos através de "Black Magic Woman", uma canção hipnótica de Green, popularizada posteriormente por Santana, e uma delicada leitura de "Need Your Love So Bad", gravada pela primeira vez por Little Willie John.
O segundo álbum, "Mr. Wonderful", também triunfou, mas enquanto Spencer contentou-se em repetir seu estilo, o líder Green ampliou as fronteiras da composição com memoráveis contribuições, incluindo a candente "Love That Burns". Sua maneira de tocar guitarra – destro e enxuto mas sempre impactante – não podia ser melhor, ao passo que McVie e Fleetwood formavam uma espontânea seção rítmica. "Mr. Wonderful" contou com as participações de Christine Perfect (nascida em 12 de julho de 1943, em Greenodd, Cumbria, Inglaterra), pianista da Chicken Shack, e de um quarteto de metais, distanciando o grupo do blues tradicional. Um terceiro guitarrista, Danny Kirwan (nome verdadeiro: Daniel David Kirwan, nascido em 13 de maio de 1950, em Londres, Inglaterra), acoplou-se à banda em setembro de 1968.
O quinteto emplacou um sucesso instantâneo com "Albatross", um lamentoso número instrumental, rememorativo de "Sleep Walk", de Santo And Johnny, e ranqueado nas paradas do Reino Unido. O single, que obteve o 2° lugar nas paradas por ocasião do seu relançamento em 1973, foi o primeiro disco do grupo a vender mais de um milhão de cópias. A Fleetwood Mac, então, afastou-se da Blue Horizon, embora, posteriormente, a gravadora ainda tenha lançado "Blues Jam At Chess", disco que a banda repartiu com vários ícones bluseiros: Buddy Guy, Otis Spann e Walter Horton, entre outros. Após uma rápida passagem pela Immediate Records, que lançou o magnético "Man Of The World", o quinteto estreou na Reprise Records com "Oh Well", seu mais ambicioso single até então, e o soberbo álbum "Then Play On". Esse esmerado disco relevou o talento de Kirwan como compositor, e suas inclinações românticas contrabalançaram os aspectos mais mundanos do trabalho de Green.
Conquanto creditado, Jeremy Spencer ausentou-se na maioria das sessões, mas a excêntrica personalidade do guitarrista ficou estampada no seu homônimo disco solo, editado no ano seguinte. A Fleetwood Mac agora desfrutava de renome internacional, mas isso representou um fardo para o seu comandante. Peter Green abandonou a banda em maio de 1970, depois do lançamento do particularizado e admirável single "The Green Manalishi (With The Two-Prong Crown)", que se tornou outro sucesso Top 10. Christine Perfect, já casada com John McVie, ingressou na vaga de Green. Malgrado a banda tenha acusado a perda do guitarrista, o talento de Kirwan como compositor e a absoluta vivacidade de Spencer garantiram uma certa coesão ao quarto álbum, "Kiln House". Entretanto, em 1971, aconteceu outro abalo, com o desaparecimento de Spencer no meio de uma turnê americana. Verificou-se depois que Spencer ingressara numa seita religiosa chamada The Children Of God.
Enquanto Green supriu a lacuna no restante da excursão, Bob Welch (nome verdadeiro: Robert Welch, nascido em 31 de julho de 1946, em Los Angeles, Califórnia, EUA [nota minha: e morto em 7 de junho de 2012, em Nashville, Tennessee, EUA]) recebeu convite para filiar-se ao grupo definitivamente. A nova formação consolidou-se em dois melodiosos discos: "Future Games" e "Bare Trees". Nenhum impressionou muito o público britânico, que continuou a sentir saudade da era Green, mas nos Estados Unidos o grupo começou a conquistar um poderoso fã-clube com sua recente e transatlântica (nota minha: no original, a palavra significa algo que concerne ao Reino Unido e aos Estados Unidos) sonoridade. Todavia, outras mudanças de pessoal aconteceram  após a dispensa de Kirwan devido à sua crônica fobia de palco. Bob Weston, guitarrista da banda de Long John Baldry, ocupou o lugar de Kirwan, e Dave Walker, ex-vocalista da Savoy Brown, também reforçou o lineup. A banda, porém, demonstrava insatisfação com o vocalista, que saiu após permanecer somente oito meses no grupo, a tempo apenas de concluir a gravação de "Penguin", um disco que, se não figura na lista dos melhores da Fleetwood Mac, contempla uma excelente composição de Welch, "Night Watch".
O quinteto restante terminou outro álbum, "Mystery To Me", lançado no meio de um imbróglio envolvendo alguns membros da banda. Weston, que tivera um caso com a mulher de Fleetwood, foi despedido durante uma prolongada turnê americana, e os shows remanescentes acabaram cancelados. Clifford Davis, empresário do grupo, reuniu uma Mac falsa para cumprir as obrigações contratuais, o que acabou gerando uma demanda judicial envolvendo a verdadeira Mac e Davis (nota minha: existem várias versões a respeito do caso, sem que se saiba com certeza o que realmente aconteceu). Mas, apesar das constantes pressões, Perfect, Welch, McVie e Fleetwood retornaram ao mercado fonográfico com "Heroes Are Hard To Find", um disco afirmativo que desmentia os rumores em torno da permanência da banda. De qualquer modo, Welch não suportou a boataria, largando a banda em dezembro de 1974, privando-a, assim, de um compositor criativo, que, com sua visão americana, ajudou a redefinir o estilo musical do grupo.
Procurando estúdios de gravação, Fleetwood conheceu Stevie Nicks (nome verdadeiro: Stephanie Nicks, nascida em 26 de maio de 1948, em Phoenix, Arizona, EUA) e Lindsey Buckingham (nascido em 3 de outubro de 1949, em Palo Alto, Califórnia, EUA), através do disco homônimo do duo. Com a banda desprovida de guitarrista, Fleetwood, constatando a experiência de Buckingham, convidou-o para substituir Welch. Buckingham aceitou, desde que Nicks viesse junto, consolidando, assim, a mais bem-sucedida (nota minha: comercialmente falando, é claro) formação da banda. "Fleetwood Mac", lançado em 1975, correspondeu às expectativas. Os recém-chegados providenciaram composições acessíveis e memoráveis, com harmonias agradáveis, ficando a cargo do contingente britânico a destreza e o vigor. Uma sucessão de composições estelares, compreendendo "Over My Head", "Say You Love Me" e a comovente "Rhiannon", confirmou a perfeita simetria, outorgando ao grupo o primeiro de uma longa série de singles Top 20 nos Estados Unidos. O disco seguinte, "Rumours", distinguiu-se ainda mais.
Apesar da ruptura de dois relacionamentos – os McVies se divorciaram e Buckingham e Nicks desfizeram sua união –, o grupo completou uma extraordinária discografia, que desnudou os traumas internos, mas sem pieguice nem lamentação. Ao contrário, os dramas recorrentes figuraram em várias e requintadas canções: "Go Your Own Way", "Don't Stop", "Second Hand News" e "Dreams", repletas de musicalidade e determinação. Um lançamento duradouro, "Rumours" já vendeu mais de 25 milhões de cópias, só sendo batido por "Thriller", o insuperável campeão de vendas de Michael Jackson.
Sobrevivendo à sua angústia emocional, a banda deparou-se com o problema de suplantar o fenômeno "Rumours". Sua resposta deu-se por intermédio de "Tusk", um arrojado álbum duplo, revelando um grupo sem medo de experimentar, se bem que muitos críticos tacharam a obra de comodista.
A canção-título, uma fascinante peça instrumental, galgou as paradas internacionais; já a música "Sara", lembrando o estilo de "Rumours", saiu-se melhor nos Estados Unidos, em comparação com as vendas no Reino Unido. Uma seleção de concertos, "Fleetwood Mac: Live", surgiu como tapa-buraco em 1980, alimentando os rumores sobre a continuidade do grupo. Passaram-se mais dois anos antes que o novo álbum, "Mirage", viesse à tona, porque alguns membros da banda estavam debruçados sobre projetos individuais. Buckingham e Nicks, particularmente, encaravam suas carreiras solos com a mesma importância devotada à trajetória do grupo, e "Mirage", uma tentativa constrangida de criar outro "Rumours", carecia do brilho do seu famoso predecessor. O disco, contudo, rendeu três sucessos: "Hold Me", "Gypsy" e a efervescente "Oh Diane", de Buckingham.
Decorridos cinco anos, surgiu "Tango In The Night", um retorno pungente à velha forma, recapturando todo o talento e inventividade do grupo com uma sucessão de reconfortantes performances: "Little Lies", "Family Man" e "You And I (Part 2)".
Christine McVie contribuiu com a ritmada e descontraída "Anyway", ponto alto do álbum. "Tango In The Night", no entanto, marcou a despedida de Lindsey Buckingham, apesar de só oficialmente confirmada após junho de 1988. Na ocasião, dois cantores e guitarristas, Rick Vito (nascido na Filadélfia, Pensilvânia, EUA), ex-Thunderbyrd, e Billy Burnette (nome verdadeiro: William Beau Burnette III, nascido em 8 de maio de 1953, em Memphis, Tennessee, EUA), aderiram ao quarteto remanescente. "Behind The Mask", o primeiro disco com o reformulado lineup, marcou o início de um novo tempo para essa tempestuosa banda, que adquiriu forças da adversidade e simplesmente se recusou a morrer. Mais recentemente, o lançamento de "The Chain", um box set compilado por Fleetwood, recebeu uma grande aclamação da crítica, talvez  a maior nos últimos anos. Em setembro de 1995, Fleetwood promoveu o excelente disco "Peter Green's Fleetwood Mac: Live At The BBC". O lançamento tocou fundo no coração de Fleetwood, que, durante o evento, deixou claro que ainda sentia muita saudade da formação original, lamentando a saída de Green e o consequente desenrolar dos acontecimentos.
Um mês depois, surgiu um novo álbum da banda, ignorado pelos críticos e encalhado nas lojas. A adição do guitarrista Dave Mason (nascido em 10 de maio de 1945, em Worcester, Inglaterra), ex-Traffic, e Bekka Bramlett (nascida em 19 de abril de 1968, nos Estados Unidos, filha de Delaney Bramlett e Bonnie Bramlett) para a gravação do decepcionante "Time", não conseguiu reacender a antiga chama. A desoladora recepção à "Time" convenceu Fleetwood a reconsiderar o caminho trilhado pela banda. Seu desejo, nunca escondido, era retornar aos áureos tempos de Green ou de Nicks e Buckingham. Algumas negociações a portas fechadas devem ter ocorrido, porque, na primavera de 1997, anunciou-se que o inesquecível time de "Rumours" havia sido reunido e já se encontrava pronto para gravar novamente. Um álbum ao vivo surgiu em agosto, comemorando o 20° aniversário de "Rumours". Pouco depois, Christine McVie anunciou sua aposentadoria (nota minha: a cantora e tecladista acabou voltando para a banda mais tarde), deixando ao quarteto subsistente a tarefa de gravar seu primeiro disco de estúdio desde "Tango In The Night". "Say You Will", com dezoito canções, finalmente saiu em abril de 2003. Pelos padrões da Fleetwood Mac, é um disco mediano, ressentindo-se da ausência dos atraentes vocais de Christine McVie (The Encyclopedia Of Popular Music. Compiled and edited by Colin Larkin. New York: Omnibus Press, 2007, pp. 543-5; tradução livre do inglês).

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...