sábado, 28 de fevereiro de 2015

The Liberty Bell - J-Beck Story 3

Cover
Banda: The Liberty Bell
Disco: J-Beck Story 3
Ano: 1997(*)
Gênero: Garage Rock, Psychedelic Rock
Faixas:
1. The Nazz Are Blue (C. Dreja, K. Relf, P. Samwell-Smith, J. McCarthy, J. Beck) 2:55
2. For What You Lack (R. Hunt) 3:00
3. Al's Blues (R. Hunt) 2:54
4. Thoughts And Visions (C. Gerniottis) 2:39
5. Naw, Naw, Naw (A. Williams, R. Evans) 3:06
6. Reality Is The Only Answer (C. Gerniottis) 2:12
7. I Can See [1st Version] (R. Hunt) 2:31
8. Big Boss Man (Smith, Dixon) 2:31
9. That's How It Will Be (R. Tanner) 2:40
10. Something For Me (R. Hunt) 2:30
11. Look For Tomorrow (C. Gerniottis) 2:02
12. Recognition (C. Gerniottis) 2:44
13. Eveline Kaye (R. Hunt) 2:53
14. I Can See [2nd Version] (R. Hunt) 3:01
Créditos:
Ronnie Tanner: Lead Vocals (faixas 1-3, 7-10, 14)
Chris Gerniottis: Lead Vocals (faixas 4-6, 11-13)
Al Hunt: Lead Guitar
Richard Painter: Rhythm Guitar
Wayne Harrison: Bass
Carl Aeby: Drums
(*) LP lançado em 1984. As faixas 8 e 15 do CD foram deixadas de fora da postagem porquanto creditadas à banda Kubla Khan.
https://mega.co.nz/#!gh4FUARL!VaFLOLq96EKOICL2fP7EEh6QGKU7MIUUMIZXNyd1sTA
Biografia:
Com maior divulgação, a Liberty Bell poderia ter sido a Yardbirds da América – ao invés disso, no entanto, o grupo figurou, imerecidamente, como uma mera nota de rodapé na história das bandas roqueiras de Corpus Christi (nota minha: cidade do Texas, EUA). Ali formada em meados dos anos 60, a banda chamava-se, originalmente, Zulus e tocava blues rock margeando a psicodelia, impulsionada por um trabalho de guitarra razoavelmente ambicioso de Al Hunt. Em 1967, o grupo conectou-se a Carl Becker, co-proprietário da J-Beck Records, que, na ocasião, tinha sob contrato a Zakary Thaks, a mais quente banda local. Becker contratou-o também, através do no seu novo selo, Cee-Bee Records, sugerindo-lhe trocar o nome para Liberty Bell.
6Quando gravou seu primeiro single, contendo as canções "Nazz Are Blue" e "Big Boss Man", covers de Yardbirds e Willie Dixon, respectivamente, integravam a banda: Ronnie Tanner (vocais), Al Hunt (guitarra solo), Richard Painter (guitarra rítmica) e Wayne Harrison (baixo). O disco saiu-se bem regionalmente, o suficiente para justificar o prosseguimento das gravações, que resultaram nas melhores músicas da carreira do grupo: "Something For Me", "For What You Lack, "I Can See" e "That's How It Will Be". Com ritmo ágil, guitarras distorcidas e refrãos cativantes, as canções soaram como uma versão americana da Yardbirds, acrescidas de uma furiosa pegada punk, um obséquio do vocalista Ronnie Tanner.
3Mas a verdadeira estrela do grupo era o guitarrista Al Hunt, que escreveu a maioria do material da época e tocava como Jeff Beck nos seus melhores dias. Tanner saiu no início de 1968, entrando no seu lugar Chris Gemiottis (sic), ex-Zakary Thaks, que também trouxe consigo um lote de canções originais, afastando-se um pouco do punk, porém, e buscando uma profundidade maior. O grupo transferiu-se para a gravadora Back Beat, especializada em R&B, e continuou seu percurso psicodélico garageiro até o lançamento, em 1968, do seu último single, "Naw Naw Naw" (apenas Gemiottis [sic] participou do disco, apoiado por músicos profissionais), em estilo soul. A Liberty Bell dispersou-se no fim de 1969, quando Gemiottis (sic) regressou à sua antiga banda. Em 1995, a Collectables Records editou uma coletânea com catorze canções do grupo (Bruce Eder, AllMusic; tradução livre do inglês).

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...