quinta-feira, 28 de novembro de 2013

Morly Grey - The Only Truth [Bonus Tracks]

Cover
Banda: Morly Grey
Disco: The Only Truth [Bonus Tracks]
Ano: 1972(*)
Gênero: Psychedelic Rock, Progressive Rock
Faixas:
1. Peace Officer (T. Roller, P. Cassidy) 5:45
2. You Came To Me (M. Roller) 4:10
3. Who Can I Say You Are (M. Roller) 3:40
4. I'm Afraid (P. Cassidy) 4:30
5. Our Time (T. Roller) 6:23
6. After Me Again (M. Roller) 3:07
7. A Feeling For You (M. Roller) 2:33
8. The Only Truth (M. Roller) 16:51
9. None Are For Me [Bonus Track] (T. Roller) 10:20
10. Come Down [Bonus Track] (P. Cassidy) 8:59
11. Love Me [Bonus Track] (T. Roller, M. Roller, P. Cassidy) 3:38
12. I'll Space You [Single A-Side, 1970] [Bonus Track] (M. Roller) 3:47
13. Be Your King [Single B-Side, 1970] [Bonus Track] (M. Roller, P. Cassidy) 3:23
Créditos (conhecidos):
Tim Roller: All Guitars, Backing Vocals
Mark Roller: Bass, Lead Vocals (faixas 2, 3, 8)
Bob LaNave: Drums (faixas 6-8), Percussion (faixas 6-8), Lead Vocals (faixas 6, 7)
Paul Cassidy: Drums (faixas 1-5, 12, 13), Lead Vocals (faixas 1, 4, 5, 12, 13)
(*) LP duplo lançado em 2010, com 5 faixas extras.
Logo Design by FlamingText.com
Resenha/Biografia:
Oriunda de Alliance, Ohio, EUA (na parte leste do estado, cerca de 30 quilômetros de Akron, o que é uma maneira educada de dizer: no meio do nada), a Morly Grey foi um power trio cujo solitário disco, "The Only Truth", de 1972 (o primeiro e único LP lançado pela gravadora local Starshine Records), tornou-se peça de colecionador muito pirateada entre os fãs de psicodelia clássica e rock progressivo.
1Durante anos, as pessoas especularam que o álbum seria de 1969, porque o som realmente parece um pouco mais velho; Cream e Blue Cheer afiguram-se nítidas influências da banda (sem o viés do blues mais pesado da Cream ou a agressividade característica da Blue Cheer), embora também se possam ouvir ecos de grupos mais novos, como Grand Funk Railroad e James Gang, no trabalho de guitarra de Tim Roller, que varia o andamento das músicas em meio a poderosos acordes e cativantes solos. Os traços de notáveis power trios também podem ser ouvidos nas ágeis linha de baixo de Mark Roller e no ritmo forte e bem ajustado do baterista Paul Cassidy (Bob LaNave ocupou o lugar de Cassidy em três faixas, incluindo a que dá título ao disco, de 17 minutos). A arte gráfica do álbum pode dar a entender que a Morly Grey era uma banda cristã, mas basta ouvir o disco para perceber-se que não; com efeito, o grupo parecia mais interessado em fazer ponderações superficiais e esquisitas sobre fraternidade, amor e guerra do Vietnã do que falar qualquer coisa envolvendo Deus ou seu filho.
2Como acontece com tantos colecionadores de discos psicodélicos e progressivos, a raridade de "The Only Truth" (e o fato de que foi gerado por uma banda obscura de uma cidadezinha do meio-oeste americano) é o que faz salivar, tanto quanto a música ali contida, os obsessivos do gênero, se bem que não se trata de uma obra-prima desperdiçada: o disco é vigoroso e bem-feito, levando-se em conta a época da sua gravação. A produção marcou pela simplicidade, embora inteligente e sem rodeios, e a interação entre os músicos mostrou-se genuinamente expressiva. E se a guitarra de Tim Roller serpenteia pelas longas faixas, sua destreza era incriticável e seus companheiros estavam à altura do seu talento. Acaso a Morly Grey tivesse gravado por um selo maior ou numa cidade maior, poderia ter ido muito longe, e "The Only Truth" obteria, merecidamente, uma audiência mais ampla, além dos limites dos círculos de colecionadores (Mark Deming, AllMusic; tradução livre do inglês).

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...