sexta-feira, 26 de julho de 2013

Livin' Blues - Hell's Session [Bonus Tracks]

Banda: Livin' Blues
Disco: Hell's Session [Bonus Tracks]
Ano: 2009(*)
Gênero: Blues Rock, Classic Rock
Músicas:
1. Waitin' On You (B. B. King, Washington) 2:47
2. One Night Blues (Oberg, Christiansen) 6:40
3. Bowlegged Woman (Oberg, Christiansen) 2:34
4. Hell's Session (Oberg, Christiansen, Lagrand) 4:53
5. Big Road Blues (Traditional, arranged by Livin' Blues) 2:46
6. Black Panther (Oberg, Christiansen) 3:11
7. Worried Dreams (B. B. King) 5:11
8. Big Black Train (Oberg, Christiansen) 4:00
9. Murphy McCoy [Single A-side, 1968] [Bonus Track] (Gerritsen, Kooymans) 2:54
10. My Sister Kate [Single B-side, 1968] [Bonus Track] (Medina, Dowell) 2:22
11. You Better Watch Yourself (Sonny Boy) [Single A-side, 1969] [Bonus Track] (Lightnin' Hopkins) 2:47
12. One Night Blues [Single B-side, 1969] [Bonus Track] (Oberg, Christiansen) 4:33
Créditos:
Nicko Christiansen: Vocals, Acoustic Guitar ("Boelegged Woman"), Bongos ("Hell's Session")
John Lagrand: Harmonica
Ted Oberg: Electric Guitar, Bass Guitar ("Hell's Session"), Slide Guitar ("Bowlegged Woman", "Big Black Train")
Henk Smitskamp: Bass Guitar, Piano ("One Night Blues", "Big Road Blues")
Cesar Zuiderwijk: Drums
(*) LP lançado originalmente em 1969.
Biografia:
A Livin' Blues foi uma das melhores bandas de blues holandesa. Muitas pessoas pensam que o nome da banda veio da revista norte-americana Living Blues, mas a publicação nasceu somente em 1970. Ex-integrantes da banda afirmam que o nome foi inspirado num grupo de teatro norte-americano chamado Living Theatre.
O grupo evoluiu, em 1967, da Andy Star & The Stripes, com Ted Oberg (guitarra) e Ruud Franssen (baixo), e, em seguida, foram adicionados Björn Pool (vocal) e Niek Dijkhuis (bateria). Em 1968, a banda recrutou o duo de blues Indiscrimination, integrado por John La Grand (harmônica) e Nicko Christiansen (vocal, sax), o último substituindo Pool. No mesmo ano, Gerard Strötbaum substituiu Franssen, e César Zuiderwijk (antigo integrante da Hu & The Hilltops e da Golden Earring) assumiu as baquetas. A banda começou a chamar mais e mais atenção, resultando em um contrato de gravação com a poderosa Phonogram (que distribuía os selos Decca e Philips, dentre outros). O grupo abriu um show para a Fleetwood Mac durante uma pequena turnê no inverno de 1969.
Depois de ter gravado dois fracassados singles, Strötbaum foi substituído por Henk Smitskamp (ex-Motions e ex-Sandy Coast). O lineup com Oberg, La Grand, Christiansen, Zuiderwijk e Smitskamp gravou o álbum altamente aclamado "Hell's Sessions", em 1969, a primeira produção do ex-baterista da Golden Earring, Jaap Eggermont (mais tarde famoso por sua produtora Stars On 45), para uma nova gravadora, Red Bullet (pertencente a Willem van Kooten, também conhecido por DJ Joost den Draaijer).
Em 1970, Smitskamp foi trocado por Ruud van Buuren (ex-Groep 1850, ex-Long Tall Ernie & The Shakers). Quando Zuiderwijk juntou-se à Golden Earring, Dick Beekman (ex-Cuby+Blizzards e ex-Ro-d-ys) foi o próximo a entrar na longa fila de bateristas que tocaram na banda. A Livin' Blues parecia mudar de baterista todo ano. Depois de "Wang Dang Doodle" tornar-se um sucesso internacional, a banda começou uma turnê pela Europa, destacando-se no Palermo Pop Festival, na Sicília. Então, John Le Jeune (ex-Island) assumiu os tambores, mas também durou apenas um álbum. A banda conseguiu outro sucesso internacional com "L. B. Boogie" e fez sua primeira visita à Polônia, onde acabou figurando como uma das bandas mais bem sucedidas de todos os tempos.
1Le Jeune foi para a Schick Band, e, no seu lugar, entrou Arjan Kamminga, que foi forçado a sair logo após o lançamento de "Rockin' At The Tweedmill" (gravado na Inglaterra e produzido por Mike Vernon), devido a problemas passados. Ele ressurgiria mais tarde na Mark Foggo & Secret Meeting. Em 1973, o britânico Kenny Lamb tornou-se o último baterista da primeira era da Livin' Blues. O álbum "Ram Jam Josey" foi novamente produzido por Mike Vernon, que também tinha recomendado Lamb (ex-Jellybread, uma banda britânica que gravava para o selo de Vernon, a Blue Horizon).
Em 1974, a primeira era da Livin' Blues desmoronou. John La Grand juntou-se à Water, Nicko Cristiansen formou a Himalaya, Kenny Lamb voltou para a Inglaterra e Ruud van Buuren passou a integrar a Long Tall Ernie & The Shakers. Ted Oberg tinha que continuar com a Livin' Blues, porque seu empresário (a sua própria mãe!) assinou novos contratos com a Ariola e a Grandad Music. John Fredriksz (ex-George Cash e ex-Q'65, um cantor que sempre parecia estar disponível quando uma banda no auge se dissolvia) tornou-se o novo vocalista. A banda também trouxe Paul Vink (teclados, ex-Finch e ex-Limousine), mas ele só permaneceu alguns meses. O lineup foi completado pelo retorno de Henk Smitskamp (baixo, ex-Shocking Blue), Ronnie Meyjes (guitarra, ex-Brainbox) e Michel Driesten (bateria), e a banda conseguiu um disco de sucesso, "Boogie Woogie Woman" (nota minha: um single), que soava muito distante do seu antigo blues rock. Quando o álbum "Live '75" foi gravado, Meyes e Driesten tinham sumido, e Cor van der Beek (também da Shocking Blue) era o baterista.
Banda 1972O lineup em 1976 era: Ted, Johnny, André Reynen (baixo, ex-Simpathy e ex-Brainbox) e Jacob van Heinigen (bateria, ex-Galaxis, substituído por Ed Molenwijk, ex-Dizzy Daisy e ex-Casino). Apesar do sucesso internacional do álbum "Blue Breeze" (1977), a banda ficou sem gravadora em 1978. Pietjan Visser (harmônica, ex-Houseband) entrou na formação em 1979, mas um ano depois o núcleo da primeira era da Livin' Blues reuniu-se para o Haagse Beatnach de 1980: Oberg, La Grand e Christiansen juntaram-se a Evert Willemstijn (baixo) e Boris (Bo, Beau) Wassenbergh (bateria, ex-Cashmere e ex-The Zoo). Esse lineup começou a excursionar novamente, mas devido à falta de interesse em tocar blues, a Livin' Blues foi parando lentamente na primeira metade da década de 80. Enquanto isso, Johnny Fredriksz, André Reynen e Pietjan Visser formaram a Nitehawk. Quando essa banda também fracassou e dissolveu-se, Ted Oberg formou a J&T Band (Johnny & Ted), com Fredriksz, acrescida de ex-membros da Finch, Peter Vink (baixo) e Fred van Vloten (bateria).
Em 1986, John La Grand e Nicko Christiansen reformaram a Livin' Blues e, pela primeira vez desde 1967, Ted Oberg não estava presente. Os outros membros eram: Joop van Nimwegen (guitarra, ex-Q'65 e ex-Finch), Willem van der Wall (guitarra, ex-Himalaya), Aad van Pijlen (baixo, ex-Freelance Band e ex-Himalaya) e Art Bausch (bateria, ex-Barrelhouse, ex-Oscar Benton e membro fundador da Blue Planet). Depois de um álbum de sucesso, "Now", La Grand saiu para juntar-se à Muskee Gang, e Christiansen conseguiu um novo grupo em torno de si. No entanto, os direitos do nome Livin' Blues pertenciam à mãe de Ted Oberg, e Christiansen foi obrigado a chamar a banda de New Livin' Blues. Assim como todos os precedentes lineups, a New Livin' Blues Blues passou por muitas mudanças, que se tornaram impossíveis de documentar (principalmente devido à falta de cobertura da imprensa e registros de gravações). No disco "Out Of The Blue" (1995), o lineup era: Christiansen, Loek van der Knaap (guitarra), Frank Buschman (baixo) e Elout Smit (bateria).
10Em 1996, John La Grand aderiu à reestruturada Cuby+Blizzards, e, dois anos mais tarde, Nicko Christiansen formou a Nicko C Band, mantendo Loek van der Knaap na formação. Em 1998, Ted Oberg criou sua própria banda, Oberg, com Jan Scherpenzeel (vocal, harmônica), Frank Schaafsma (baixo) e Ramon Rambeaux (bateria, ex-Wild Romance, substituído por Ronald Oor, ex-Diesel e ex-I've Got The Bullets). No final daquele ano, Nicko Christiansen e John La Grand excursionaram com o guitarrista Eelco Gelling (ex-Cuby+Blizzards), denominando-se Nederblues Summit.
Em 2003, Christiansen e La Grand queriam começar a se apresentar novamente como Livin' Blues, mas Oberg se opôs. A nova banda foi então chamada Blues A-Livin'. Oberg reapareceu no ano seguinte, fazendo turnês com Simone Roerade (vocal), Rob Geboers (teclados, ex-Flavium), Marco Oonincx (baixo, ex-Ana Popovic Band) e o baterista Arie Verhaar (ex-Tom Principato e ex-Tino Gonzales), com o nome de Grand Slam.
Em 30 de junho de 2005, John Lagrand morreu, com a idade de 55 anos, de enfisema. Christiansen continuou com a banda Livin' Blues Xperience, composta por Loek van der Knaap (guitarra), Yaroon Vanniele (baixo), Kees van Krugten (bateria) e François Spannenburg (harmônica). Em 2009, a Livin' Blues foi eleita a "melhor banda de blues internacional" pelos leitores da revista Two Blues, da Polônia. Ted Oberg voltou com a sua banda, Oberg, mais uma vez, agora, porém, liderada pela cantora Liane Hoogeveen. Os outros membros são: Mick Hup (guitarra, substituído por Will Sophie), Nico Heilijgers (baixo) e Paul Damen (bateria) (Alex Gitlin, citando a Nederpop Encyclopedia; tradução livre do inglês).

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...