terça-feira, 29 de julho de 2014

Steve Winwood - Arc Of A Diver [Deluxe Edition]

Cover
Músico: Steve Winwood
Disco: Arc Of A Diver [Deluxe Edition]
Ano: 1980(*)
Gênero: Classic Rock
Músicas:
Disc 1: Original Album
1. While You See A Chance (5:14)
2. Arc Of A Diver (5:28)
3. Second-Hand Woman (3:43)
4. Slowdown Sundown (5:27)
5. Spanish Dancer (5:59)
6. Night Train (7:51)
7. Dust (6:18)
Disc 2: Bonus
1. Arc Of A Diver [Edited US Single Version] (4:16)
2. Night Train [Instrumental Version] (6:44)
3. Spanish Dancer [2010 Version] (6:13)
4. Arc Of A Diver: The Steve Winwood Story [Originally aired on BBC Radio 2] (56:33)(**)
Músicas de autoria de Steve Winwood e Will Jennings, exceto "Arc Of A Diver", composta por Winwood e Vivian Stanshall, e "Second-Hand Woman" e "Dust", compostas por Winwood e George Fleming.
Créditos:
Steve Winwood: Acoustic Guitars, Electric Guitars, Bass, Drums, Percussion, Keyboards, Synthesizers, Lead Vocals, Backing Vocals
(*) CD lançado em 2012.
(**) Convém alertar que a faixa não é uma música, mas sim a história de Steve Winwood contada em áudio em inglês, através de depoimentos e narrativas, entremeados por trechos de canções do músico.
 
Biografia:
Apesar de Stevie Winwood não ter gravado nenhum disco solo até 1977, sua importância para o pop/rock britânico no período abarcado por este livro é tamanha que ele faz jus a uma menção aqui. Ele nasceu em 12 de maio de 1948, em Birmingham, Inglaterra, e estava tocando com Muff, seu irmão mais velho, e Pete York, integrantes da Muff-Woody Jaz Band, no Golden Eagle, um pub de Birmingham, quando foram vistos por Spencer Davis, que estava realizando uma sessão de blues acústico no mesmo local. Davis rapidamente os recrutou e eles formaram a Spencer Davis Group em agosto de 1963. Um ano depois, o grupo conseguiu um contrato com a Island Records, pertencente a Chris Blackwell.
1Stevie Winwood era apenas um adolescente na época, mas foram as suas excelentes performances vocais que deram à Spencer Davis Group seu ingrediente especial. Há rumores de que Stevie teria participado da gravação de um compacto da Anglos, um conjunto de R&B (que pode ter sido americano), mas ninguém sabe ao certo. Ele também gravou, usando o nome Steve Anglo, duas músicas com uma banda de estúdio chamada Powerhouse, reunida por Eric Clapton para uma gravação do selo Elektra de 1966. No início de 1967, ele deixou a Spencer Davis Group para integrar a Traffic, uma das melhores bandas psicodélicas da Grã-Bretanha. Quando a Traffic desintegrou-se pela primeira vez, no início de 1969, ele se incorporou à Blind Faith, um supergrupo de curta duração, que não conseguiu atingir a meta prevista, e após participou brevemente da Ginger Baker's Airforce.
2Em 1970, quando Winwood estava trabalhando num disco solo, intitulado, provisoriamente, de Mad Shadows, Jim Capaldi e Chris Wood ajudaram-no na gravação, e a Traffic retornou como um trio. O álbum acabou sendo lançado com o nome de "John Barleycorn Must Die", e Winwood permaneceu em vários lineups da Traffic até a banda extinguir-se em 1974. A partir daí, ele gravou seis álbuns solos e inúmeros compactos (...). Há uma coleção de quatro CDs, "The Finer Things", de 1995, que inclui material de Winwood com as bandas Spencer Davis Group, Traffic e Blind Faith, bem como registros da sua carreira solo.
3Apenas três faixas da coletânea são inéditas, todas da Blind Faith. Há ainda uma versão eletrificada de "Can't Find My Way Home", da Blind Faith, e dois covers retirados do concerto do mesmo grupo no Hyde Park – "Under My Thumb", da Rolling Stones, e "Sleeping In The Ground", de Sam Myers. Alternativamente, "Keep On Running", da gravadora Island, compila alguns dos seus primeiros momentos com a Spencer Davis Group, Traffic e Blind Faith e mais algumas gravações do seu melhor repertório solo. Winwood é sobretudo lembrado como um dos mais importantes cantores brancos de blues da Grã-Bretanha, e suas performances vocais com a Spencer Davis Group ofusca qualquer um dos seus trabalhos nos últimos 25 anos (Vernon Joynson, in The Tapestry of Delights - The Comprehensive Guide to British Music of the Beat, R&B, Psychedelic and Progressive Eras 1963-1976. Borderline Productions, Telford, 2006, p. 1623).

2 comentários:

Anônimo disse...

I have not heard this in many years. The bonus disc looks interesting. Many thanks.

-Brian

Indignaldo Silva disse...

You're welcome, Brian.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...